image O Debate sobre o Uso Confiável da Inteligência Artificial na Política image Inteligência Artificial no E-mail Marketing – Impacto de Alta Performance

    Inteligência Artificial no Marketing Político: uma realidade que veio para ficar

    Inteligência Artificial no Marketing Político

    Você está certo em supor que a Internet vai exercer importante papel nas eleições municipais deste ano. E nas próximas também. Em primeiro lugar, porque ela já vem crescendo há alguns anos, aqui e no mundo. Em segundo lugar, por conta do distanciamento social. E um fator está sendo especialmente decisivo: a aplicação da Inteligência Artificial no Marketing Político. 

    Todos já ouvimos dizer que o homem é um ‘animal político’. O conceito vem do filósofo grego Aristóteles (século V a.C.).  Portanto, este não é um tema estranho para nós. Pelo contrário, desde tempos antigos entendemos que de nada adianta ser um bom líder se ninguém souber disso.

    Assim como tudo na vida, o exercício do Marketing Político vem absorvendo as contribuições da evolução tecnológica. Em casa passo nessa direção, profundas mudanças ocorreram pelo caminho.

    Só para exemplificar, as invenções da imprensa, do rádio e da televisão promoveram grandes pontos de inflexão no fazer político. O mesmo ocorre agora, com o advento da política no ambiente digital.

    Carisma é dom, imagem é construção.

    Por quase toda a história, as grandes expressões da política vieram de pessoas carismáticas, ou seja, que nasciam com a capacidade de se fazerem seguir, com naturalidade.

    Contudo, a união da publicidade com a política, que surgiu nos EUA por volta de 1950, comprovou o que os sábios já diziam. Isto é, ‘não basta ser, deve parecer ser’. Como no caso da mulher de Júlio César, grande imperador romano (século I a.C.). 

    Assim, o político deixa de ser encarado apenas como carismático e passa a ser tratado também como produto, quando a meta é conquistar eleitores. 

    Certamente, ‘parecer ser’ não é mais importante que propriamente ‘ser’, e vice-versa. E uma coisa sem a outra pode soar como fraude. 

    Neste sentido, torna-se fundamental saber exatamente como o político é percebido pelo eleitor. Se o que lhe parece tem paralelo com a realidade. É fundamental entender como a imagem está sendo construída para, depois, introduzir novas narrativas.

    Por isso, não se deve fazer campanha eleitoral a partir de achismos, dogmas e preconceitos, assim como também alicerçada apenas no carisma. 

    E é exatamente neste ponto, que o Marketing Político tem seu encontro mais proveitoso com os modernos recursos tecnológicos do ambiente digital. 

    Estratégias Realistas com Inteligência Artificial no Marketing Político

    Inteligência Artificial no Marketing Político

    Nós já mostramos aqui no Blog como a Inteligência Artificial funciona e quais são os benefícios. Neste artigo vamos focar diretamente nos efeitos sobre o Marketing Político.

    Primeiramente, destacamos a necessidade do uso de ferramentas de alta tecnologia para avaliar como o agente político é percebido pelo eleitorado. 

    Na maioria das vezes as pessoas se surpreendem com o resultado desta pesquisa. Isso porque ela não é feita por meio de questionário, em que o eleitor responde de acordo com o momento e o contexto. Ou seja, a resposta nem sempre reflete exatamente o que ele pensa.

    Contudo, no momento do voto, o eleitor está lá, diante da urna, sozinho. Ele vota sem ter que dar explicações a ninguém. Ele pode muito bem votar em um candidato e contar que votou em outro, para evitar patrulhamentos.

    Da mesma forma, navegando na Internet, fazemos nossas escolhas de maneira interna e personalíssima. Basta dar uma olhada na maioria das perguntas que fazemos ao Google. São dores da vida real, reveladoras de nossas mais profundas angústias.

    Em suma, responder a um questionário é uma coisa, votar é outra completamente diferente

    Por isso, a pesquisa com ferramentas de Inteligência Artificial é mais realista. Ela é  realizada por meio da observação do comportamento na Internet. Em outras palavras, sem mediação social a resposta é íntima e intuitiva. Assim como acontece na urna.

    Monitoramento e Tomada de Decisão em Tempo Real

    É fato que o comportamento das pessoas tem mudado diante deste ambiente digital. As redes sociais têm jogado luz neste fenômeno e revelado um aumento no nível de exigência por parte das pessoas que consomem conteúdos na Internet.  

    De uma hora para outra a conjuntura vira e o que antes era favorável reverte. Desse modo, torna-se imprescindível detectar com rapidez estas alterações de cenário.

    Com aplicação das ferramentas que utilizam Inteligência Artificial é possível saber como está a imagem pública de cada candidato, perante o eleitor que ele deseja conquistar.

    Ao mesmo tempo, possibilita identificar instantaneamente variações na temperatura do ambiente político, permitindo tomadas de decisão em tempo real. 

    Por outro lado, pode-se ainda validar a plataforma política pretendida, verificando se ela tem aderência no reduto eleitoral. Isso é executado a partir da identificação dos perfis dos eleitores e também de suas autênticas necessidades. 

    Mineração de Dados e o Futuro da Pesquisa Eleitoral

    Inteligência Artificial no Marketing Político

    Para fazer este monitoramento são utilizadas técnicas de Mineração de Dados, ou Data Mining. Isso pode incluir sistemas de aquisição automática dos dados das redes sociais, processamento dos textos e detecção de diferentes abordagens. 

    Com isso, gera modelos de classificação das publicações de acordo com  diferentes estratégias emocionais, utilizando os estudos da Neuropolítica. Ela considera a influência que as emoções emitidas pelos candidatos exercem no direcionamento do voto.

    Associando tudo isso à capacidade do Machine Learning de realizar análises preditivas, criam-se a condições ideais para o aumento da previsibilidade eleitoral. 

    Sem dúvida, esta poderá ser a moderna maneira de se fazer pesquisas eleitorais e prever o resultado das urnas, no futuro próximo. 

    Inteligência Artificial no Marketing Eleitoral e Democracia

    O primeiro candidato a usar fortemente as ferramentas de Inteligência Artificial no Marketing Político foi o democrata norte americano Barack Obama. Na sequência, o Republicano Donald Trump foi ainda mais fundo. Então, não se pode atribuir cores ideológicas às ferramentas, sejam elas quais forem.

    Os recursos tecnológicos estão disponíveis para todos, independentemente filiação partidária. Já falamos aqui no blog do uso confiável da Inteligência Artificial neste setor. Nós sabemos que os resultados serão tão bons quanto mais democrática for a sua aplicação. 

    Se não, vejamos. Por um lado, esta tecnologia pode ser usada para viralizar ‘fake news’. Por outro lado ela também é fundamental para identificar notícias falsas, checando fatos reais e restabelecendo a verdade. 

    As redes sociais estão empregando o Machine Learning, ou aprendizado de máquina, para rastrear publicações enganosas. Elas penalizam os responsáveis e até retiram do ar páginas inteiras. 

    De fato, tudo isso não parece ter potencial para mudar a Política, em sua essência. Mas, a expectativa é que possa contribuir para empurrar os políticos para uma prática mais realista dela. 

    E você, gostaria de saber mais sobre como fazer uma campanha eleitoral utilizando Inteligência Artificial no Marketing Político? Então, mande seu comentário ou fale com um de nossos consultores.